Vem devagar emigrante (texto nao recomendável a ninguém)

Olá fanecas. Vós sabeis que este indivíduo que vos escreve gosta de analisar as grandes músicas produzidas pelas estrelas mais cintilantes do nosso panorama musical. Já o fiz com a grande Ronalda (aqui) e mais recentemente com o nao menos grande André Sardet (aqui), mas nenhuma destas músicas se compara ao que hoje se vai passar. A música que vos apresento chama-se “Vem devagar emigrante” e é uma espécie de segundo hino nacionOlá fanecas. Vós sabeis que este indivíduo que vos escreve gosta de analisar as grandes músicas produzidas pelas estrelas mais cintilantes do nosso panorama musical. Já o fiz com a grande Ronalda (aqui) e mais recentemente com o nao menos grande André Sardet (aqui), mas nenhuma destas músicas se compara ao que hoje se vai passar. A música que vos apresento chama-se “Vem devagar emigrante” e é uma espécie de segundo hino nacional, uma homenagem sentida que o seu intérprete, Graciano Saga – autor de exitos como “A melhor avó do mundo”, “Deus protega o meu país”, “Emigrante, só por ti” e “P’ro ano se Deus quiser” ou ainda “Porque choras criancinha?” – faz a todos os emigrantes portugueses que todos os anos fazem milhares de quilómetros para chegarem ao seu “rico Portugal”. A letra desta bela cantiga começa com um conselho muito sábio que o nosso Graciano dá a todos os emigrantes que viajam de carro para Portugal, alertando-os para virem devagar, atirando de seguida com uma frase do povo, que é sábio e nunca se engana: “mais vale um minuto na vida, do que a vida num minuto”. Nao satisfeito com a coisa, achando que este sábio conselho possa ser insuficiente, Graciano Saga começa a relatar o drama cruel de um imigrante infeliz que na estrada encontrou a morte e canta assim: “Passou-se no mes de Agosto este drama tao cruel de um imigrante infeliz. Foi tanta a pouca sorte, na estrada encontrou a morte”. Atentem no engenho de Graciano Saga que, de forma a arranjar uma palavra que rimasse com morte, troca “azar” por “pouca sorte”. Mas ó Graciano, tu sabes que quinar rima com azar, certo? Ora ve lá se assim nao fica melhor: “foi tanto o azar que na estrada acabou por quinar”. E sendo nós o país das Quinas até calha bem, nao? Mais a frente, o nosso artista revela-nos a causa do acidente, desta forma tao linda e singela: “vinha a grande velocidade, foi o sono que lhe deu, o controlo ele perdeu desse carro de maldade”. Entao ó Graciano, o gajo vem com sono, nao pára para esticar as pernas nem para descansar e a culpa é do carro?! Note-se uma vez mais o engenho de Saga, no que a rimas diz respeito. No entanto, este rima é descabida visto que todos sabemos que os carros dos emigrantes da Alemanha (como é o caso) sao daqueles Mercedes tipo chaimite e aquilo nao quebra assim as primeiras, ó Graciano. Vai mas é pôr as culpas noutro. Mas, continuando, como nas cantigas de Graciano Saga uma desgraça nunca vem só, ficamos ainda a saber que o nosso emigrante vinha a Portugal ver o paizinho que estava doente numa cama de hospital e que só tinha uma coisa na ideia: “o seu paizinho beijar ao chegar a Portugal” sendo que ao saber do acidente do filho, o paizinho “que tanto sofria, nunca mais o filho via, fechou os olhos morreu”. Com esta cartada de última hora, Graciano eleva o drama desta cantiga para algo nunca antes visto. No entanto, achando que duas mortes é pouco para apenas uma cançao, Graciano Saga dispara: “ele nao vinha sozinho, trazia também consigo sua mulher e filhinho. Sem dar conta de nada e naquela madrugada morrem os tres no caminho”. Outro aspecto interessante neste “Vem devagar emigrante” é o facto de Graciano Saga incluir o teletransporte na sua cançao, senao vejamos: primeiro, o artista diz “seu destino acabou por ser fatal numa estrada em Espanha” e pouco depois atira: “Mas tudo foi de repente, partiu de Benavente, o drama aconteceu”. É pá, ó Graciano, tens que me dar umas aulas de Geografia…entao, o destino dele é fatal em Espanha e de repente já está em Benavente? Das duas uma: ou ele teletransportou-se ou vinha a 1000 km/h e se foi esse o caso é muito bem feito que tenha tido um acidente porque conduzir a essas velocidades é um acto muito irresponsável. Ou entao Graciano Saga nao conhecia nenhuma terra em Espanha que rimasse com “de repente”, também é uma hipótese…mas, para quem pensa que o drama acaba aqui, desengane-se porque há mais, pois o nosso emigrante num “camiao foi bater e deu-se o choque frontal”. E é o facto de nunca sabermos o que se passou com o camionista que torna esta cançao ainda mais dramática e inquietante. Terá morrido? Teria deixado uma maezinha doente no hospital, cujo último desejo era ser beijada pelo filho? Nunca saberemos… É por esta cançao ( e por outras) que Graciano Saga é considerado por muitos como o cantor da desgraça (a meu ver, só me parece um tipo preocupado) e é talvez, o único cantor do mundo que tem na sua página de internet anúncios publicitários relativos a funerárias e (ou) a produtos de tratamento capilar. Aqui fica o link para a sua página (nao oficial), que contém algumas letras deste a e outro para a música “Vem devagar emigrante” no Youtube. Graciano Saga, o homem que passou ao lado de uma grande carreira como coveiro.

Deja un comentario

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s

Crea tu página web en WordPress.com
Empieza ahora
A %d blogueros les gusta esto: